Domingo, 06.05.12

Tumblr_m2j7hlgopk1qmowaco1_500_large

Aqui estou eu, perguntando como estarás tu. Os meus dias têm sido assim, pelo menos ultimamente. Aquelas saudades estranhas e sem explicação. Aqueles momentos de pura diversão, faltas tu. Tenho tudo, a pior parte é saber que tenho tudo para ser feliz e não o consigo. Quem me dera conseguir enterrar o passado, passar uma borracha sobre todas as minhas memórias, se o pudesse eu o faria, sem hesitar. Sinto-me perdido, talvez seja a única explicação. Recordo-me por isso da última vez que me senti assim, foste tu a primeira pessoa a quem me dirige, como se não houvesse mais ninguém no mundo. Talvez é aquela sensação que provocavas em mim, boa mentirosa que eras. Dizias que tudo ia ficar bem, que encontraríamos maneira de contornar as coisas, mas dizias de uma maneira como se fosse verdadeira, como se soubesses. Tenho saudades da maneira como me tratavas, a calma que provocavas em mim, a esperança que me fazias acreditar, talvez num futuro melhor. Nestes momentos penso em ti, tento imaginar que palavras me dirias se tivesses comigo. Admito que tenho saudades daquele vício, aquela mágoa que fazias sentir em mim, mas eu suportava porque pelo menos estavas perto, aquele doce amargo da tua companhia que virava sempre para o torto, sem explicação. Talvez um dia tudo volta a ser o que era. Até lá crescemos e vivemos histórias para depois contarmos um ao outro. Talvez um dia.




publicado por joao às 22:53 | link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito

Terça-feira, 01.05.12


Eu não gosto de despedidas, envolvo-me demais, dedico-me aquelas pessoas e depois magoa ter de dizer adeus. O mais dificil é encontrar as pessoas certas, porque dói, mas o problema é encontrar as palavras certas para não as magoar também. Talvez não existam tais palavras, talvez tenha de ser mesmo assim. Mas a questão não é só essa, no momento da despedida pode não magoar tanto como julgavamos, mas as saudades que depois vamos sentir dessas pessoas, talvez seja essa a questão de tanto sofrimento. Pensamos como serão os dias, sem eles, a falta que sentiremos deles todos os dias. 

Olhamos para cada capitulo da nossa vida como uma aventura, mas em cada capitulo existem sentimentos, pessoas que sem querer nos apaixonamos. Essas pessoas, sem requer, vão mudar a forma como pensarás da vida, ensinar-te-ão como é bom viver, como divertido pode ser. Farão de ti uma pessoa melhor. E mais tarde olharemos para todos estes momentos com um sorriso na cara



publicado por joao às 20:44 | link do post | comentar | ver comentários (9) | favorito

Quinta-feira, 26.04.12


I miss you. I miss how you cared for me, how you always make my day, how you used to cheer me up, and how you make me feel that you love me.

I miss everything that used to be.

Love,
Me. 



publicado por joao às 00:04 | link do post | comentar | ver comentários (9) | favorito

Terça-feira, 22.11.11

Eu não possuiu o dom da palavra, confesso. Não controlo o tempo, mas os momentos que possuímos fluem de uma forma espontânea, e disso já é suficiente para me sentir orgulhoso. São instantes o tempo que partilhamos, mas incrivelmente a importância que tens para mim.
As palavras que agora te dedico não são fáceis, esforço-me para que saiam naturalmente, admito. Estas mesmas palavras o vento um dia vai levar, a tinta da caneta com que escrevo, a chuva vai apagar. Ou até mesmo o papel vai ficar velho e gasto, como nós.
Por isso, é essencial que escutes com atenção, que as memorizes e principalmente que as sintas. Preciso que saibas o quanto te amei enquanto vives-te e o quanto me fizeste bem quando me abraçavas.
Tudo se transforma, pessoas que amamos um dia partiram, árvores secarão, a casa que conheces-te em criança cairá. As cartas que escrevíamos um ao outro desapareceram com os anos.
Não importa se fique velho ou para onde viaje, não importa o quanto errei na vida ou o quanto o mundo mude, vou sempre recordar o momento em que te disse cada palavra como se fosse Presente. E o sentimento com que as escrevi e te dediquei será ainda o mesmo como se nada tivesse trasnformado, nem mesmo o tempo. Enquanto o fim não se aproxima, deixa-me abraçar-te e dizer-te o quanto preciso de ti.

    



publicado por joao às 19:26 | link do post | comentar | ver comentários (13) | favorito