Sexta-feira, 11.03.11
4702227083_8e0f61f487_z_large

Num dia acordei e reparei que a minha cidade estava em ruínas, não restava nada, apenas pó e lixo. E o autor de tudo aquilo tinha sido eu. Todos tinham passado por lá, todos já tinham reparado que tudo estava em ruínas, como tudo já tinha se transformado, mas eu não.

Eu ainda observava as árvores com folhas, passava horas a observar como a água corria no rio, ainda via casas com telhados, ainda recordava como as crianças brincavam nas ruas.

Mas tudo não tinha passado se um simples sonho. De uma ilusão. Uma mentira manipulada, por mim. Porque não queria ver a verdade, porque já não tinha forças para lutar mais, porque não aguentava a realidade e não era capaz de ver para além da ilusão.

Mas nessa mesma manhã, tudo mudou, acordei numa cidade fantasma, onde só se conseguia ver a destruição, onde só se ouvia o silêncio e onde reinava a raiva, a dor, a fúria e o medo.

Foi então que decidi levantar a cabeça, e olhar o céu. O sol a sorrir para mim e a lua? Essa apoiava-me e inspirava-me, enquanto que as estrelas me indicavam o caminho certo.

 



publicado por joao às 22:54 | link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito